CARLO ACUTIS, seu amor a Jesus e sua vida evangélica

Carlo Acutis,Eucaristia seu caminho para o Céu.

Don MARIO GULLO (1)

Está escrito: “Deus  é amor e quem permanece no amor, permanece em Deus e Deus nele.” (1 João, 4, 16). Podemos ler essa parábola de amor no olhar do jovem CARLO ACUTIS, que cumpriu a sua peregrinação terrestre em apenas 15 anos.

O Concílio Vaticano II nos diz que a santidade é possibilidade e que todos somos chamados a ela (cf. Lumen Gentium, nn 39-42), e isso foi o que também aconteceu na breve existência desse filho de Deus. Uma santidade ordinária; não uma santidade no sentido banal, mas ligada às condições comuns, quotidianas da vida; não uma santidade heróica, mas uma santidade que soube atingir o ponto mais alto: o dom da vida.

Radicalidade é a base deste modelo de santidade, “pequena” pela idade, mas não para a estatura e espessura, onde todo o empenho de fazer uma leitura com naturalidade da vida a partir do mistério de Deus.

CARLO ACUTIS nasceu em Londres, aos 03 de maio de 1991, filho de Andrea e Antonia. De fato, desde pequeno o seu coração demonstrou alegria, determinação e humildade em sua caminhada rumo à “santa viagem”, vivendo na normalidade as suas atividades diárias, como a escola, os amigos, o amor pelo Criador e, sobretudo, a fé na extraordinariedade do Evangelho. Cresceu em uma família profundamente cristã; escolheu livremente dizer o “sim” com a própria vida, ao mistério que o envolvia; assim, a fé crescia com ele.

Após receber o sacramento da Primeira Comunhão, CARLO nunca faltou ao compromisso quotidiano com Cristo, presente na Eucaristia e adorado no sacrário; afirmava com entusiasmo a todos os jovens que Jesus era o seu “grande amor”.

Esta profunda intimidade com o sacrifício vivo do Corpo e Sangue de Cristo lhe fazia repetir frequentemente: “a Eucaristia é o meu caminho para o céu!”, compreendendo claramente que “o banquete eucarístico é para nós real antecipação do banquete final, pré anunciado pelos profetas (cf Is. 25, 6-9) e descrito no Novo Testamento como as ‘núpcias do Cordeiro’ (Ap. 19, 7-9) a celebrar-se na alegria da comunhão dos santos” (Bento XVI, Sacramentum Caritatis, n° 31).

Da Eucaristia celebrada no passado àquela vivida no compromisso concreto, não somente em favor daqueles que estavam próximos, mas também dos últimos, de quem vivia na dificuldade, como os excluídos da sociedade, os pobres, os incapazes, e tudo feito de uma maneira espontânea, simples, e ao mesmo tempo nobre, no coração que desarma toda possível acusação de .

Pode-se dizer que no campo da informática não havia segredos para ele, talento verdadeiramente inato, porque, apesar da sua pouca idade, foi capaz de competir com especialistas do campo, para o espanto de todos; porém, a coisa mais bela, é que não tinha somente para si esta inclinação particular, pois ficava feliz ao utilizá-la como voluntário na ajuda ao próximo.

Um verdadeiro discípulo de Jesus, que, com a inteligência e o coração, soube revolucionar a sua vida e a vida de quem o rodeava, não perdendo jamais as ocasiões para falar de Cristo, amá-Lo, partilhar a Palavra e citar o Magistério da Igreja que conhecia, apesar da sua “pequenez”, para ganhar almas para Cristo: “embora sendo livre de todos, me fiz servo de todos para ganhar o maior número. Fiz-me fraco com os fracos para ganhar os fracos, me fiz tudo para todos, para salvar a qualquer custo cada um. Tudo eu faço pelo Evangelho, para tornar-me um participante com eles” (cf.1 Cor. 9, 19-23). “O teu dia, meu Deus, virá diante de Ti… e com meu sonho mais louco: ter o mundo entre meus braços” (J. Leclercq), e tudo isso também a custo de rejeição ou escárnio por causa da sua fé viva.

CARLO era impulsionado por um único e constante desejo, o de conquistar quanto mais almas possíveis, não recorrendo a recursos mesquinhos, mas, com o testemunho constante e quotidiano da sua fé, vivida sem ostentação, simplesmente com coerência e desarmamento.

Por isso que muitos daqueles que tiveram a oportunidade de conhecê-lo pediram o batismo na Igreja Católica. Havia nele a viva convicção que “todos nascem como originais, mas muitos morrem como cópias”.

Isso o levou a viver com originalidade os seus dias, não desperdiçando, nunca, a cada instante, os dons de Deus, porque a graça eleva a natureza, não a destrói; logo, tudo o que era natural em CARLO, era posto a serviço e por isso a graça o elevou: é tudo luz!

A clareza da fé em CARLO o levou a afirmar: “um balão, para subir bem alto, necessita despojar-se de tudo aquilo que pesa; pois assim faz a alma, para elevar-se ao céu, necessitando tirar pequenos pesos que são os pecados veniais. Se por acaso existe um pecado mortal, a alma cai sobre a terra e a confissão será como fogo,   o mesmo fogo que faz retornar ao céu o balão. É preciso confessar-se frequentemente porque a alma é muito complexa.

Faz-se necessário indicar outro aspecto fundamental do itinerário terreno e espiritual de CARLO ACUTIS: O seu amor pela Virgem Maria que ele mesmo definia como “a única mulher da minha vida”. Um amor genuíno, vivo, concreto na fidelidade quotidiana ao recitar o santo Rosário, definido por ele como o “compromisso mais cerimonioso da jornada”, na sua devoção aos primeiros sábados do mês.

A Ela consagrou várias vezes toda a sua vida, principalmentenas visitas que fez aos Santuários de Lourdes e de Fátima.

A história da “visão do inferno”, como descreveu irmã Lúcia de Fátima, o perturbou sobremaneira; por causa disso, CARLO decidiu trabalhar pela salvação das almas. Contribuiu também, para tal efeito, a leitura do “Tratado do Purgatório”,  de Santa Catarina Fieschi, de Gênova (1447-1510), onde são descritas as penas das almas do Purgatório, em sufrágio das quais oferecia orações, penitências e comunhões.

Para aqueles que não possuíssem o dom da fé e, através dela, a certeza da verdade que emana de Deus, CARLO se esforçava para que muitos pudessem levantar os olhos e ver a fé como um farol de luz que conduz à salvação.

Cada momento da sua vida, na família, na escola, nas relações com os outros, se tornava ocasião de testemunho natural da sua fé.

Preocupava-se muito com sua pureza e por isso confiava-se à Virgem Maria e às orações das monjas enclausuradas que frequenta.

Nos debates aos quais comparecia, CARLO era um defensor apaixonado da sacralidade da família contra o divórcio, bem como da vida contra o aborto e a eutanásia.

O testemunho evangélico de CARLO não é somente estímulo para os adolescentes de hoje, mas faz também com que pastores, sacerdotes e educadores se interroguem sobre a validade da formação que é oferecida aos jovens de nossas comunidades paroquiais, assim como torná-la mais incisiva e eficaz” (Don Michelangelo M. Tiribilli, OSB).

Aos jovens, CARLO se apresentava em sua totalidade: um adolescente do nosso tempo; testemunha que entregar-se a Cristo é viver uma vida “maior”, uma vida que não fecha as portas da liberdade e da alegria, porque “Ele não nos tira nada, mas doa tudo. Quem se doa à Ele, recebe o cêntuplo”(Bento XVI).

O perfil de CARLO era semelhante ao de Maria Magdalena. A sua juventude era “óleo perfumado de nardo puro, preciosíssimo”, que queria espalhar sobre os pés de Jesus (cf. Jo 12, 3); os seus dias, embora breves, foram como uma sequência até o calvário (cf. Jo 19, 25), sem descontos ou meias medidas.

No início de outubro de 2006, foi atingido por uma gravíssima leucemia, incurável. Também neste momento o amor vence o medo e, no hospital, disse: “ofereço todo o sofrimento, de que deverei padecer, ao Senhor, pelo Papa e pela Igreja, para não passar pelo purgatório e ir direto ao Paraíso”.

Recebe a Unção dos Enfermos e a “medicina” da Eucaristia, a sua “rodovia para o céu”. O médico pessoal fica maravilhado e edificado com seu modo de viver e suportar as dores atrozes: sorri a todos e mantém a sua gentileza, unida à uma grande paciência.

Quando o doutor que o acompanhava perguntou se sofria muito, CARLO respondeu com coragem: “existem pessoas que sofrem muito mais do que eu!”

O teólogo Karl Rahner afirma que: “para cada um, o tempo de vida que lhe é concedid, é o breve instante no qual se torna aquilo que deve ser”. Aqui se encontra todo o mistério deste jovem fiel, da Igreja Diocesana de Milão, que se reflete nos seus olhos carregados de sabedoria e de luz, quase antecipação dos eleitos na Jerusalém Celeste, Páscoa sem fim.

Às 6:45 horas de 12 de outubro de 2006, CARLO ACUTIS retorna à Casa do Pai “para sempre”, na ponta dos pés, sem rumor algum, como a lógica evangélica da semente, para cantar na eternidade o canto dos pequenos benditos de Deus e fazer de si o “hortus conclusus”[2], o Jardim do Éden onde o Senhor possa livremente “passear sobre a brisa do dia” (cf. Gen. 3, 8), o seu dia.

Don MARIO GULLO

Vicario Parrocchiale

parrocchia@gesulavoratoregiarre.it


[2] Artists working about 1400 popularized in a variety of ways the theme of the so-called hortus conclusus, or enclosed garden, in which the Virgin, surrounded by angels and saints, appears in a flower garden enclosed by a wall. Medieval hymns would often evoke the same celestial vision, but in painting it only appeared when the everyday milieu of people and the countless marvels of nature had been admitted to the sphere of devotional art. In these usually small, enchanting paintings the joys of earthly life are blended with a profound, manifold symbolic content. The orchard of the Master of the Upper Rhineland is the idyllic milieu of a cheerful aristocratic company, but, at the same time, it also conjures up the Paradise of Heaven. All its motifs are depicted in a virtually tactile way and yet they are symbols glorifying the Creation, Mary the Queen of Heaven and the Mother of the Saviour, as well as praising the various virtues. St Michael, who appears meditating in melancholy manner and looking at the spectator from the bottom right side of the picture, may exactly express the spiritual attitude in which a believer of the period approached the painting.

http://www.wga.hu/tours/gothic/devotion.html

2 respostas para “CARLO ACUTIS, seu amor a Jesus e sua vida evangélica”

  1. Fiquei encantada com a vida de Carlo Acutis.Seu exemplo de encarar a vida com alegria e simplicidade,seu amor por Jesus e por Nossa Senhora.Penso que Carlo como Pier Giorgio nos revelam a simplicidade de Deus.Deus é Amor,é real,é concreto.Deus está muito mais próximos do que imaginamos.
    Obrigado Carlo por nos ensinar a amar.
    Renata

Deixe uma resposta para Renata Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
= 3 + 9