Pier Giorgio Frassati: Modelo para os cristãos do Século XXI

Cristina Siccardi*

No dia da beatificação João Paulo II, grande admirador de Pier Giorgio, chamou-lhe o homem das oito bem-aventuranças: “Para um olhar superficial, o estilo de Pier Giorgio Frassati, um jovem moderno cheio de vida, não apresenta muito de extraordinário … Nele a fé e os acontecimentos cotidianos se misturam harmoniosamente, tanto que a adesão ao Evangelho se traduz em atenção aos pobres e necessitados ». 
A entrada no Instituto Social dos Padres Jesuítas é um momento decisivo. O Padre Lombardi aconselha-o na comunhão diária, com grande desaprovação materna, e a partir de agora a Eucaristia será o centro de sua vida. Aos 17 anos ingressou na Conferência de São Vicente, assumindo assim um compromisso constante com a caridade. “Ele, que era tão alegre quando falava sobre coisas espirituais, tornou-se outro. Tanto que quando ele chegou ao meu quarto, foi como se o sol aparecesse!”, O padre Lombardi dirá mais tarde. 
Em casa Pier Giorgio não é compreendido: não está claro por que ele prefere recitar o rosário diariamente em uma casa onde não se  reza, de modo que  não aspira a ocupar um lugar de destaque na sociedade como seu pai sempre fez, alcançando sucesso. Ele é o jovem que em vez de seguir a carreira diplomática, como era o sonho de seus pais ,deseja ser engenheiro de minas,para estar ao lado dos operários.Sua vida se resumia em amar Jesus.Amor esse que  fez ter o coração aberto e grande para acolher os mais pobres . Participando das conferencias de São Vicente, da Fuci (Federação da Universidade Católica Italiana), do Partido Popular de Don Luigi Sturzo, do convento dos padres dominicanos, das sacristias das igrejas para servir a missa, continuamente “perdendo” tempo precioso e em vez de pensar nos deveres de um descendente de sua categoria, prioriza as orações, missas e adorações eucarísticas noturna e leituras espirituais.

Pier Giorgio se apaixona pelas cartas de São Paulo, lê-as e as relê também na rua ou no bonde e, aos 21 anos, entra na Ordem Terceira de São Domingos. A amizade ocupa um lugar especial em sua vida.Nos anos da Politécnica (Engenharia Mecânica com especialização em mineração) ele dá vida a um grupo de jovens “Tipi Loschi”. O desejo de viver paira entre os amigos de Frassati para poder “servir a Deus em perfeita alegria”. O compromisso social e político, contra o regime fascista, o colocou entre as fileiras do Partido Popular Italiano, fundado por Dom Luigi Sturzo em 1919. Seu compromisso político e social foi uma conseqüência direta de sua maneira de se sentir cristão: para ele não era suficiente ajudar os pobres, para ir aos seus miseráveis ​​sótãos,( os pobres moravam nos sótãos pois era a parte mais fria da casa) às choupanas onde a doença e a fome se misturavam à dor, para levar aos deserdados uma palavra de conforto, carvão, comida, remédios e dinheiro, ele queria dar uma solução para esses problemas sociais de miséria e abandono e a política parecia-lhe o caminho para reivindicar direito e justiça.

Sua luta contra o fascismo foi muito difícil, uma realidade que ele também respirava em sua própria casa: seu pai também foi perseguido pela batalha, liderada nas colunas de seu jornal, contra o Regime. 
Embora muito próximo de sua irmã, Luciana, Pier Giorgio escolheu um caminho completamente diferente: ela, o prestigioso e fascinante mundo da diplomacia.  Luciana, a única pessoa na casa com quem poderia confiar, escreveria anos depois que muitas vezes defendia a franqueza de seu irmão por causa dos mal-entendidos do mundo e de sua própria família, onde o relacionamento entre mãe e pai havia sido destruído de ano para ano. até desmoronar. 
As conferências de São Vicente foram o campo máximo de ação para Pier Giorgio: foi nelas que ele pôde expressar concretamente sua caridade pelos pobres, órfãos, desempregados e sem-teto.  O que distinguia Pier Giorgio dos outros era o caminho e o status a que pertencia: o filho do senador do Reino abaixou-se para aproximar-se dos humildes, o último e isso foi realizado não como um ato paternalista de alto a baixo, mas compartilhando a participação nos dramas sociais.”

*Escritora natural de Turim,tem publicado diversos obras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
= 3 + 5