Pier Giorgio Frassati – “ Verso l`alto”

Maria Elisa de Oliveira  *

Conheci   Pier Giorgio Frassati, jovem italiano de Turim, filho de embaixador, morto em 1925 com apenas 24 anos de idade e, proclamado beato pelo papa João Paulo II em 1990 , por meio de um outro jovem  –  Eduardo Henrique da Silva, esse último, bem brasileiro , paulistano de nascimento.

Nossa amizade, que permanece até hoje, começou num curso de Teologia, em 1994 pouco depois da beatificação de Pier Giorgio. Na ocasião, Eduardo já revelava uma grande devoção e admiração pela vida de santidade deste jovem italiano cuja marca sempre fora o esquecimento de si mesmo, em benefício dos mais pobres  .

Contudo, sua devoção ia mais longe e já naquela época, Eduardo procurava por todos os meios, divulgar o nome de Píer Giorgio entre nós. Esse esmero incansável na divulgação da vida de santidade do jovem italiano não se limitava e ainda não se limita apenas ao Brasil  mas, vai em busca de outras fronteiras.

Aos poucos, a partir das leituras de livros , comentários e biografias sobre a vida de Pier Giorgio Frassati, cedidos por Eduardo, fui conhecendo os ideais que moviam o coração deste jovem beato e seu envolvimento responsável com a Igreja Católica, ao mesmo tempo que me comovia com sua devoção ao Santíssimo Sacramento e os grupos marianos.

O Curso  de Teologia, com a duração de dois anos permitiram, pela estreita e assídua convivência, que eu pudesse acompanhar um processo que ainda hoje se dá, de entrelaçamento e feitura de almas, na busca pela santidade, entre esses dois jovens, tão distantes no tempo, lugar e na condição social e, me agrada nomeá-los juntos  –  Píer Giorgio Frassati e Eduardo Henrique .

Nossas conversas diárias giravam quase sempre em torno da vida de doação de Píer Giorgio, que   aliás Eduardo conhece em detalhes, fruto de suas incansáveis pesquisas, a ponto de dar a impressão, por vezes, de que ele próprio o acompanhara em diversas ocasiões.

Todo esse amor e admiração pela vida do jovem beato ganhava mais cores quando, geralmente aos sábados, após as aulas íamos alegres ao encontro da irmã Luiza Angélica Mortari, de alma extraordinária e, que entrara no Mosteiro da Visitação, no bairro da Vila Mariana em  São Paulo, com apenas dezesseis anos, vindo a falecer em 2007 ,  em odor de santidade.

Soube mais tarde que Eduardo ganhara da referida irmã um exemplar do Jornal l `Osservatore Romano e nele, tomara conhecimento de uma foto estampada de Píer Giorgio no esplendor de sua juventude. Bastou esse imagem para que o interesse de Eduardo pela vida do jovem italiano se acendesse como uma chama ardente que se mantém alta e vigorosa,

A partir daí, a vida e a missão desse jovem brasileiro se concentrou em difundir a vida de heroísmo cristão de Píer Giorgio. Inúmeros mosteiros e conventos em solo brasileiro que  possuem em suas dependências imagens e resumos dos principais feitos desse jovem beato são o resultado do seu trabalho infatigável de divulgação.

Nomeio, em especial, o Mosteiro Cristo-Rei   das Dominicanas de São Roque em São Paulo que na pessoa da monja, Madre Carmem Dulce da Santíssima Trindade- Marcondes Machado-, amiga de Heitor Villa Lobos e professora de música da Faculdade Santa Marcelina, Eduardo sempre encontrou apoio e incentivo na divulgação da vida de Píer Giorgio Frassati.

Do rico tecido, por sua vez,da curta existência do jovem italiano, gostaria de ressaltar, ao menos, dois traços: o convívio e a amizade e sobretudo a sua contagiante alegria de viver (la gioia de vivere) de que dão testemunho todos que com ele tiveram o privilégio e sobretudo a graça de compartilhar de seus ideais e construção do Reino. Luciana Frassati sua irmã, soube como ninguém  revelar estes dois aspectos, em detalhes.  Numa obra de sua autoria e traduzida para o espanhol – Píer Giorgio Frassati: los dias de su vida, o leitor pode acompanhar as iniciativas de Píer Giorgio sempre afeito ao contato com os outros, aos grupos de jovens e sociedades, como meios para fazer o bem e praticar a caridade “sem que os participantes tivessem plena consciência disso” como comenta sua irmã. Amante do alpinismo, sempre que pode Píer Giorgio manifesta sua preferência pelas montanhas – lugar ideal para as reuniões com os amigos. O importante era encontrar oportunidade para estar juntos sob a inspiração de uma fé cristã. E, mais uma vez, é sua irmã que comenta, o jovem italiano encontrará na alegria e no sorriso, as armas perfeitas para reunir participantes tão distintos entre si. As excursões montanhesas se revelariam, ainda sob as anotações de Luciana, ocasiões preciosas para desenvolver o espírito fraternal e comunitário sempre com o cuidado de não permitir uma excessiva intimidade.

Com estas qualidades e outras que não caberiam em mil páginas, Pier Giorgio Frassati foi considerado por João Paulo II , patrono e guia espiritual da juventude acadêmica, dos jovens universitários de nosso tempo e fonte de inspiração dos jovens leigos.

* Professora aposentada da Unesp – campus de Marília/SP, Mestre em Filosofia pela PUC/SP e atualmente docente da Faculdade de Filosofia de São Bento/SP.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
= 5 + 7